Dores nas costas foi a doença que mais afastou profissionais em 2017

2018-03-14T14:13:06+00:00

Dorsalgia, nome técnico para dores nas costas

Foi a maior causa de afastamentos dos postos de trabalho em 2017. No total foram 83,8 mil casos, nos últimos dez anos.

Fratura de perna está em segundo lugar, também está incluído tornozelo, com 79,5 mil casos, seguido por fratura no punho e mão com 60,3 mil casos.

dores-nas-costas-previdenciario-2017

 

Problemas relacionados a transtornos comportamentais e psicológicos. Depressão por exemplo geraram 43,3 mil auxilio doença em 2017 e foi a 10ª causa de afastamentos no ranking. O transtorno depressivo recorrente surge na 21ª posição entre as maiores causas de afastamento. No total foram 20,7 mil auxílios.

Problemas relacionados à câncer, tais como, neoplasia maligna mamária, apareceu pela primeira vez entre nos últimos três anos. No ranking ela se encontra na 20ª posição com o total de 21,7 mil casos.

Os dados acima são relativos aos auxílios-doença previdenciários (sem relação com acidente ou doença do trabalho).

No site da Previdência Social estão disponíveis informações completas sobre os afastamentos. É possível verificar a quantidade de auxílios-doença concedidos mensalmente, segundo a Classificação Internacional de Doenças (CID 10) e separados em previdenciários e acidentários.

Conheça outras causas de afastamento no trabalho

Acidentários – Considerando-se apenas os auxílios acidentários, ou seja, decorrentes de acidente ou doença do trabalho, foram as fraturas as que mais afastaram os trabalhadores no ano passado.  Somando-se fraturas de punho e mão, perna, pé e antebraço são quase 63 mil casos.

Entre os benefícios acidentários, a dor nas costas também aparece entre as doenças que mais afastaram no ano passado. Foi a quinta com maior número de auxílios – 11,8 mil. Em 2016, havia sido a terceira que mais afastou. Outros transtornos ansiosos geraram 2,2 mil auxílios-doença acidentários e foi a 20ª enfermidade que mais afastou. Episódios depressivos acometeram 2,1 mil trabalhadores e ficou na 21ª posição entre os afastamentos.